entenda o autismo

Entenda o Espectro do Autismo (TEA)

O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) reúne três desordens do desenvolvimento neurológico presentes desde o nascimento ou começo da infância: transtorno autista, transtorno desintegrativo da infância e transtorno generalizado do desenvolvimento não-especificado (PDD-NOS).

As causas do TEA não são totalmente conhecidas, e a pesquisa científica sempre concentrou esforços no estudo da predisposição genética, analisando mutações espontâneas que podem ocorrer no desenvolvimento do feto e a herança genética passada de pais para filhos. No entanto, já há evidências de que as causas hereditárias explicariam apenas metade do risco de desenvolver TEA. Fatores ambientais que impactam o feto, como estresse, infecções, exposição a substâncias tóxicas, complicações durante a gravidez e desequilíbrios metabólicos teriam o mesmo peso na possibilidade de aparecimento do distúrbio.

É importante que os pais fiquem atentos e identifiquem se seu filho apresenta as características do autismo:

  • Não gosta de lavar ou cortar os cabelos
  • A luz o incomoda
  • Fica assustado quando escuta muitas pessoas falando
  • Gosta de comer sempre as mesmas comidas
  • Arranca os botões das roupas
  • Parece não sentir dor
  • Parece que não, mas gosta de carinho
  • Não controla bem as funções motoras
  • Gosta de andar nas pontas dos pés e por isso cai muito
  • Tem dificuldade para se concentrar
  • Ruídos e sons fortes incomodam
  • Seleciona comida, pessoas e objetos pelo cheiro
  • Seleciona o alimento
  • É muito apegado com os brinquedos
  • Tem dificuldade para se vestir só
  • Se senta com as pernas em w
  • Prefere estar com os pés descalços

Até o momento, não há remédios específicos para tratar o autismo, embora esta seja uma prioridade das pesquisas, com diferentes medicamentos em teste. O acompanhamento médico multidisciplinar, composto por pediatra, psiquiatra, neurologista, psicólogo e fonoaudiólogo, é o tratamento mais recomendado para ajudar no desenvolvimento da criança autista. A conduta indicada vai depender da intensidade do distúrbio e da idade do portador e deve ser decidido junto aos pais.

Em linhas gerais, o tratamento associa diferentes terapias para testar e melhorar as habilidades sociais, comunicativas, adaptativas e organizacionais. A rotina de cuidados pode incluir exercícios de comunicação funcional e espontânea; jogos para incentivar a interação com o outro; aprendizado e manutenção de novas habilidades; e o apoio a atitudes positivas para contrapor problemas de comportamento. É muito popular a adoção das abordagens terapêuticas Análise Aplicada do Comportamento (conhecido como método ABA) e Terapia Cognitivo-Comportamental. Frequentemente, as terapias são combinadas com remédios para tratar sintomas associados, como insônia, hiperatividade, agressividade, falta de atenção, ansiedade, depressão e comportamentos repetitivos.

Um elemento essencial no tratamento é o treinamento com os pais. O contexto familiar é fundamental no aprendizado de habilidades sociais e o trabalho com os pais traz grandes benefícios no reforço de comportamentos adequados. Também é comum que os profissionais que tratam a criança indiquem acompanhamento psicológico para a família, devido ao desgaste emocional que o distúrbio pode provocar.

Fonte: https://autismoerealidade.org.br

 

Semana da Criança

Princesas, super-heróis e diferentes personagens do universo infantil invadiram os corredores e quartos do Hospital Menino Deus, em Curitiba, na semana da criança.

Médicos, funcionários e enfermeiros da instituição se fantasiaram para comemorar o dia das crianças. A diretora técnica do hospital, Valéria Caroline Santos, teve a ideia de levar leveza ao atendimento pediátrico e assim surgiu a semana da criança.

Saiba mais…